home Cenário Cartezyan, Destaques 29/08 – Coreia do Norte imprime baixa no exterior

29/08 – Coreia do Norte imprime baixa no exterior

Bom dia investidor!

Cobre e outros metais operam em alta e dólar se desvaloriza em meio a novas preocupações com a Coreia do Norte.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que “todas as opções estão sobre a mesa” para responder ao teste de míssil realizado pela Coreia do Norte que cruzou o espaço aéreo do Japão. Trump disse que as ações “ameaçadoras e desestabilizadoras” do tipo só aumentam o isolamento do regime de Pyongyang.

As declarações constam de uma nota divulgada pela Casa Branca nesta manhã, intitulada “Comunicado do presidente Donald J. Trump sobre a Coreia do Norte”. No texto, o presidente americano diz que o mundo recebeu “claramente” a mais recente mensagem do país. Segundo a avaliação de Trump, o regime de Kim Jong Un sinalizou seu desprezo pelos vizinhos, por todos os membros da Organização das Nações Unidas e por “padrões mínimos de comportamento internacional aceitável”.

 

 

Na foto da UOL, Ahn Young-joon/AP, coreanos acompanham os testes, pela TV.

Os contratos de petróleo operam sem sinal único na manhã desta terça-feira, com investidores ainda atentos aos impactos da tempestade tropical Harvey na região do Golfo do México. O mercado ponderava sobre o possível impacto da tempestade sobre a oferta e a demanda da commodity. Por outro lado, o dólar mais fraco contrabalançava o movimento e deixava o contrato em Nova York de lado.

Às 9h10 (de Brasília), o petróleo WTI para outubro subia +0,11%, a US$ 46,62 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro recuava -0,39%, a US$ 51,22 o barril, na ICE.

A enchente causada pela tempestade tropical Harvey provocou queda de -2,72% no contrato do WTI na segunda-feira, enquanto o Brent caiu -0,99%. Investidores temem que problemas nas refinarias da região prejudiquem a demanda pelo petróleo.

Os futuros de cobre e de outros metais básicos operam em alta, à medida que o dólar se desvaloriza em meio a novas preocupações com a Coreia do Norte.

Por volta das 9h15 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1,46%, a US$ 6.802,00 por tonelada, atingindo o maior nível desde setembro de 2014.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em dezembro tinha alta de +0,57%, a US$ 3,1035 por libra-peso.

Entre outros metais na LME, os ganhos era generalizados: o zinco avançava +1,61% às 9h20 (de Brasília), a US$ 3.118,00 por tonelada; enquanto o alumínio valorizava +0,75%, a US$ 2.087,00 por tonelada; o estanho aumentava +0,56%, a US$ 20.535,00 por tonelada; o níquel saltava 2,88%, a US$ 11.800,00 por tonelada; e o chumbo subia 2,30%, a US$ 2.379,00 por tonelada.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), evitou ontem responder a uma pergunta sobre uma possível segunda denúncia da Procuradora-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer. Ao ser questionado sobre se a base aliada do governo teria força suficiente para barrar a segunda denúncia da PGR, como ocorreu com a primeira, o parlamentar se limitou a dizer que ocupa o cargo de presidente da Câmara.

Além disso, Maia comentou as críticas feitas ao Congresso pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), e disse que Fux é um dos ministros mais preparados e mais equilibrados.

O IBOVESPA mostra menor volume e candles de equilíbrio nas duas últimas sessões, sinais típicos de correção à vista.

Hoje devemos ter os ursos no comando, sendo a média móvel de 5 períodos o primeiro suporte a ser testado.

Dificilmente o benchmark terá fôlego para novas escaladas sem antes testar ao menos a LTA pontilhada em azul ou mesmo o topo anterior em 69.490.

 

 

 

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders – contato@TopTraders.Com.BR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *